Apresentação

 

A seção de Meio Ambiente do Instituto Evandro Chagas/MS foi criada em 1992 para desenvolver estudos dos impactos ambientais na região amazônica e seus efeitos sobre a saúde da população e sobre o meio ambiente.

 

Desde então, a SAMAM realiza pesquisas na área com o objetivo de identificar riscos que possam atingir a integralidade da saúde humana na região e degradar a qualidade de vida das comunidades.

Áreas de Atuação

 
Conheça os pesquisadores que atuam na Seção de Meio Ambiente do IEC:


DOROTÉA DE FÁTIMA LOBATO DA SILVA

Possui graduação em Biomedicina pela Universidade Federal do Pará (1989) e mestrado em genética e Biologia Molecular do curso de Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Pará (1999).Trabalha como pesquisadora na Seção de Meio Ambiente desde a criação da seção em 1992; participou ativamente do plano nacional de controle e erradicação da rubéola e do sarampo. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Saúde Pública materno-infantil e de pacientes imunodeficientes; apoio a pesquisa em saúde ambiental no diagnóstico diferencial de doenças causadas por vírus ou agentes ambientais neurotóxicos; consultora da UNESCO atuando no Laboratório de virologia e Biologia Molecular da Seção de Meio Ambiente do Instituto Evandro Chagas.

[Currículo Lattes] [Produção Científica] [Contato]


EDILSON DA SILVA BRABO [*1964-2006†]

Era Graduado em Geologia pela Universidade Federal do Pará (1989) e mestre em Geologia e Geoquímica pela Universidade Federal do Pará (1992). Tinha experiência na área de Geociências, ênfase em Geologia. Foi Pesquisador contratado temporário do Instituto Evandro Chagas desde 1992. Era Doutorando da Universidade Federal do Pará, professor da Universidade Estadual Vale do Acaraú e Consultor ad hoc da Fundação Oswaldo Cruz. Atuava principalmente nos seguintes temas: Ambiente supergênico, Geoquímica, Mercúrio, Amazônia.

[Currículo Lattes] [Produção Científica]


ELISABETH CONCEIÇÃO DE OLIVEIRA SANTOS

Possui graduação em Biomedicina pela Universidade Federal do Pará (1979) e especialização em Diagnóstico Viral do Citomegalovírus em Doença Con. pela Fundação Oswaldo Cruz (1983). Especialista em saúde do Governo do Estado do Pará, Especialista em Saúde do Ministério da Saúde e Especialista em Saúde da Prefeitura Municipal de Belém. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Saúde Pública. Responsável pela implantação da Seção de Meio Ambiente do IEC. Atualmente é Diretora do Instituto Evandro Chagas.

[Currículo Lattes] [Produção Científica] [Contato]

IRACINA MAURA DE JESUS

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Pará (1990), graduação em Odontologia pela Universidade Federal do Pará (1987) e graduação em Medicina pela Universidade Federal do Pará (2006). Tem experiência na área de Saúde e Ambiente, com ênfase em Epidemiologia, atuando principalmente nos seguintes temas: saúde ambiental, toxicologia, poluentes, mercúrio. Atualmente é chefe da Seção de Meio Ambiente do Instituto Evandro Chagas.

[Currículo Lattes] [Produção Científica] [Contato]

KLEBER RAIMUNDO FREITAS FAIAL

Possui graduação em Farmácia pela Universidade Federal do Pará (1997), especialização em Aperfeiçoamento em Química pela Universidade Federal do Pará (1998) e mestrado em Química pela Universidade Federal do Pará (2003). Atuando principalmente nos seguintes temas: Mercúrio, Selênio, Peixes.

[Currículo Lattes] [Produção Científica] [Contato]


LENA LÍLLIAN CANTO DE SÁ

Possui graduação em Farmácia Bioquímica pela Universidade Federal do Pará (1997) e Mestrado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Pará (2000). Atualmente é doutoranda do Curso de Pós--Graduação em Biologia de Agentes Infecciosos e Parasitários da Universidade Federal do Pará e consultora da UNESCO atuando no Laboratório de Microbiologia Ambiental e Biologia Molecular da Seção de Meio Ambiente do Instituto Evandro Chagas. Tem experiência na área de Microbiologia, com ênfase em Microbiologia Ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: impactos ambientais, qualidade da água, diversidade e evolução bacteriana.

[Currículo Lattes] [Produção Científica] [Contato]

MARCELO DE OLIVEIRA LIMA

Possui graduação em Licenciatura Plena em Ciências Hab Química pela Universidade Federal do Pará (1995), especialização em Química Analítica pela Universidade Federal do Pará (1998) e mestrado em Geociências pela Universidade Federal do Pará (2003). Professor titular da Escola Tenente Rego Barros. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Saúde Pública. Atuando principalmente nos seguintes temas: arsênio, manganês, águas, solo, ambiente e caracterização.

[Currículo Lattes] [Produção Científica] [Contato]

RENATO LOPES FERNANDES DE MEDEIROS

Possui graduação em Biomedicina pela Universidade Federal do Pará (2000), especialização em Análises Clínicas com ênfase em Medicina Tropical pela Universidade Federal do Pará (2002) e mestrado em Biologia de Agentes Infecciosos e Parasitários pela Universidade Federal do Pará (2004). Tem experiência na área de Microbiologia, com ênfase em Microbiologia Aplicada. Atuando principalmente nos seguintes temas: citomegalovírus, doadores de sangue e HTLV.

[Currículo Lattes] [Produção Científica] [Contato]

ROSIVALDO DE ALCÂNTARA

Possui graduação em Farmácia pela Universidade Federal do Pará (1994) e mestrado em Química pela Universidade Federal do Pará (2002). Atualmente é Pesquisador do Instituto Evandro Chagas e Perito Criminal do Centro de Perícias Cientifícas Renato Chaves. Tem experiência na área de Química, com ênfase em Química Orgânica. Atuando principalmente nos seguintes temas: Brachiaria humidicola, alelopatia, atividade anti-inflamatória, germinação, inibição.

[Currículo Lattes] [Produção Científica] [Contato]

WALBER VICTOR DE MORAES PINTO

Possui graduação em Biomedicina pela Universidade Federal do Pará (2000) e mestrado em Biologia de Agentes Infecciosos e Parasitários pela Universidade Federal do Pará (2004). Tem experiência na área de imunologia, com ênfase em virologia. Atuando principalmente nos seguintes temas: virologia, TTV, transfusão sanguinea, citomegalovírus, rubéola e infecção congênita.

[Currículo Lattes] [Produção Científica] [Contato]

GRUPOS E LINHAS DE PESQUISA VIGENTES NA SAMAM
 
Grupo de Pesquisa: Saúde e  Ambiente
Linhas de Pesquisa
 

  • Exposição ambiental e ocupacional a agentes de risco
  • Interações biológicas e ambientais de contaminantes
  • Microorganismos, ambiente e saúde

 
Grupo de pesquisa: Biogeoquímica de Contaminantes, Patógenos e Nutrientes
Linhas de Pesquisa
 

  • Ecotoxicologia, Genotoxicidade e Estudos de Bioindicadores em Áreas Preservadas e Impactadas
  • Epidemiologia e Clínica, Desenvolvimento de Métodos, Inovação e Prospecção de Biomarcadores
  • Geoquímica e Transferências Tróficas de Contaminantes, Patógenos e Nutrientes

 
Grupo de pesquisa: Qualidade Ambiental
Linhas de Pesquisa
 

  • Estudo da degradação, comportamento e distribuição de poluentes orgânicos e inorgânicos em amostra ambientais por métodos analíticos
  • Indicadores da qualidade da água para consumo humano.
  • Monitoramento da qualidade da água superficial e subterrânea nas bacias hidrográficas da Região Amazônica

Contato SAMAM

 
Email: secsemam@iec.pa.gov.br
+ 55 (91) 3214-2090
+ 55 (91) 3214-2095

Endereço:
MS/SVS Instituto Evandro Chagas
Seção de Meio Ambiente (SAMAM)
Rodovia BR 316 Km 7 s/n
Levilândia - 67030-000
Ananindeua / Pará / Brasil

Expediente

 
LOCAL:

MS/SVS Instituto Evandro Chagas
Seção de Meio Ambiente (SAMAM)
Rodovia BR 316 Km 7 s/n
Levilândia - 67030-000
Ananindeua / Pará / Brasil

ATENDIMENTO AO PÚBLICO

Segundas e quartas-feiras, das 8h às 11h30m

LABORATÓRIOS

Horário de funcionamento dos laboratórios da SAMAM:
- Manhã: 8h às 11h
- Tarde: 14h às 16h

Legislação

 
Instrução Normativa n.º 1, republicada em 22 de março de 2005

Instrução Normativa da Secretaria de Vigilância em Saúde Ambiental Regulamenta a Portaria n.º 1.172/2004/GM, no que se refere às competências da União, estados, municípios e Distrito Federal na área de vigilância em saúde ambiental.

 
Lei n.º 6.938, de 31 de agosto de 1981

Política Nacional do Meio Ambiente.
Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências.

 
Lei n.º 7.805 de 18 de julho de 1989

Lei da Exploração Mineral.
Altera o Decreto-Lei nº 227, de 28 de fevereiro de 1967, cria o regime de permissão de lavra garimpeira, extingue o regime de matrícula, e dá outras providências.

 
Lei n.º 9.433, de 8 de janeiro de 1997

Lei das Águas.
Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989.

 
Lei n.º 9.605, de 12 de fevereiro de 1998

Lei de Crimes Ambientais.
Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências.

 
Portaria n.º 518, de 25 de março de 2004

Norma de qualidade da água para consumo humano.
Estabelece, em seus capítulos e artigos, as responsabilidades por parte de quem produz a água, no caso, os sistemas de abastecimento de água e de soluções alternativas, a quem cabe o exercício de “controle de qualidade da água” e das autoridades sanitárias das diversas instâncias de governo, a quem cabe a missão de “vigilância da qualidade da água para consumo humano”. Também ressalta a responsabilidade dos órgãos de controle ambiental no que se refere ao monitoramento e ao controle das águas brutas de acordo com os mais diversos usos, incluindo o de fonte de abastecimento de água destinada ao consumo humano.

 
Resolução CONAMA n.º 1, de 23 de janeiro de 1986

Resolução CONAMA n.º 237, de 22 de dezembro de 1997

OUTROS

Conselho Nacional do Meio Ambiente

Vigilância em Saúde Ambiental (SVS/MS)

Estrutura

 
A composição atual da Seção de Meio Ambiente se divide entre os serviços de:

Virologia

O Laboratório de Virologia (credenciado pelo Ministério da Saúde como Laboratório Regional para Controle do Sarampo) faz o diagnóstico laboratorial das doenças exantemáticas (que provocam manchas avermelhadas na pele e podem ou não ser acompanhadas de coceira), como a rubéola, as citomegaloviroses e o sarampo.

Toxicologia

A investigação da contaminação por mercúrio (metal utilizado na queima do ouro) em populações ocasionalmente expostas ou não ao contato com esse metal é feita no Laboratório de Toxicologia.

Epidemiologia

O setor de epidemiologia participa da elaboração de projetos de pesquisa e da análise de dados, construção e avaliação de indicadores epidemiológicos.

Cultura de Tecidos

No laboratório de cultura de tecidos são feitos cultivos de linhagens permanentes e culturas primárias de órgãos fetais humanos, prepúcio humano e órgãos de primatas não humanos. As culturas primárias e permanentes apóiam os estudos de citogenética e o isolamento de vírus, como do citomégalo e do sarampo.

Microbiologia Ambiental

Realiza estudos sobre os microorganismos que vivem em diferentes ambientes (ar, solo, água, etc.) e sua relação patogênica com outros organismos inclusive o ser humano.

Físico-Química (água)

Realiza análise da água, onde, através do monitoramento de agentes, é possível evitar a disseminação de doenças graves, como o cólera.

Clínica Médica

O setor de clínica médica atende os pacientes que participam dos projetos da Seção e aqueles enviados com suspeita de doença exantemática.

Capacitação de RH

A SAMAM tem se empenhado em preparar para a região uma massa crítica de profissionais especialistas em saúde e meio ambiente, numa tarefa interdisciplinar e multinstitucional objetivando a realização de projetos de pesquisa destinados a investigar a saúde da população e a prestação de serviços à comunidade.

História

 

Com o objetivo de estudar a importância dos impactos ambientais sobre a saúde humana, foi criada em 1992, a Seção de Ecologia Humana e Meio Ambiente, atualmente Seção de Meio Ambiente – SAMAM. Desde então, são realizados estudos sobre as condições de vida, saúde e trabalho de populações expostas a poluentes na Amazônia, região onde vem ocorrendo alterações ambientais de grande impacto a partir da década de 60.

 

Nos últimos 20 anos a presença de teores alterados de mercúrio na região Amazônica tem sido uma das linhas específicas de pesquisa. Para detectar a presença de mercúrio no organismo da população residente em ambientes epidemiológicos diversos, situados na bacia hidrográfica do rio Tapajós, estado do Pará e em outros estados da Amazônia, são realizadas análises em material biológico, bem como são utilizados indicadores ambientais como os níveis de mercúrio em pescado, sedimentos e solos. Pesquisas em microbiologia ambiental, cultura de tecidos e virologia também fazem parte da História da SAMAM até o presente. Assim, desde a sua criação, a Seção vem se desenvolvendo amplamente e se consolidando nas diversas áreas da Saúde Ambiental em que atua.

Formação

 

A SAMAM tem se empenhado em preparar para a região uma massa crítica de profissionais especialistas em saúde e meio ambiente, numa tarefa interdisciplinar e multinstitucional.

 

Para tanto tem realizado intercâmbios com diversas instituições de ensino, pesquisa e de saúde pública. Como exemplo temos o curso de Epidemiologia Ambiental realizado em vários estados da Amazônia e a capacitação de técnicos dos Lacens dos estados da federação.

 

Nos últimos dois anos, a seção tem atendido também aos estudantes de nível médio com palestras, seminários, material impresso e etc.

Instituto Evandro Chagas
Envie uma mensagem para nossa equipe de comunicação e ajudaremos como possível. Nosso prazo de atendimento é de até 10 dias úteis.

    Seu nome completo*

    Seu e-mail*

    Telefone

    Estado*

    Município*

    Assunto*

    Sua mensagem