Apresentação

Nesta página, elaborada com o apoio do Ministério da Saúde (MS), você encontrará o conteúdo, produzido e relacionado com o Instituto Evandro Chagas (IEC), sobre Sarampo. O IEC vinculado à Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) do Ministério da Saúde (MS), vem, há mais de oito décadas, desenvolvendo estudos e investigações biomédicas e de saúde pública, voltados para as áreas de Ciências Biológicas, Meio Ambiente e Medicina Tropical. Seu corpo de pesquisadores tem sido incansável na busca do conhecimento que possibilite aperfeiçoar a prevenção e o tratamento de doenças.

 

A vacina contra o Sarampo está disponível gratuitamente nos Postos de Saúde do Sistema Único de Saúde (SUS) com boa eficácia e proteção duradoura. A vacina é a principal ferramenta de prevenção e controle da doença.

 

A área“Saiba Mais sobre Sarampo” reúne notícias veiculadas no Portal do IEC, informações sobre a doença, clipping com as notícias veiculadas na mídia nacional e internacional sobre o trabalho do IEC relacionados com a referida doença, e ainda links para portais de outras organizações com informações sobre a doença, além de artigos científicos produzidos pelas equipes de pesquisadores das Seções de Arbovirologia e Meio Ambiente do IEC.

 

INFORMAÇÕES SOBRE SARAMPO

 

O sarampo é uma doença infecciosa aguda, de natureza viral, grave, transmitida pela fala, tosse e espirro, e extremamente contagiosa, mas que pode ser prevenida pela vacina. Pode ser contraída por pessoas de qualquer idade. As complicações infecciosas contribuem para a gravidade da doença, particularmente em crianças desnutridas e menores de um ano de idade. Em algumas partes do mundo, a doença é uma das principais causas de morbimortalidade entre crianças menores de 5 (cinco) anos de idade. O comportamento endêmico do sarampo varia, de um local para outro, e depende basicamente da relação entre o grau de imunidade e a suscetibilidade da população, além da circulação do vírus na área.

 

Em 2016, o Brasil recebeu da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) o certificado de eliminação da circulação do vírus do sarampo. Atualmente, o país enfrenta dois surtos de sarampo, em Roraima e Amazonas. Além disso, alguns casos isolados e relacionados à importação foram identificados em São Paulo, Rio Grande do Sul, Rondônia e Rio de Janeiro.

 
Sintomas e Sinais
 
• Febre alta, acima de 38,5°C;
• Dor de cabeça;
• Tosse;
• Manchas vermelhas, que surgem primeiro no rosto e atrás das orelhas, e, em seguida, se espalham pelo corpo;
• Coriza;
• Conjuntivite;
• Manchas brancas que aparecem na mucosa bucal conhecida como sinal de koplik, que antecede de 1 a 2 dias antes do aparecimento das manchas vermelhas.
 
Sintomas do Sarampo Por Período
 

• Período de Infecção: dura cerca de sete dias, onde surge a febre, acompanhada de tosse seca, coriza, conjuntivite e fotofobia. Do 2° ao 4° dia desse período, surgem as manchas vermelhas, quando se acentuam os sintomas iniciais. O paciente apresenta prostração e lesões características de sarampo: irritação na pele com manchas vermelhas, iniciando atrás da orelha (região retroauricular).

 

• Remissão: caracteriza-se pela diminuição dos sintomas, com declínio da febre. A erupção na pele torna-se escurecida e, em alguns casos, surge descamação fina, lembrando farinha, daí o nome de furfurácea.

 

• Período Toxêmico: o sarampo é uma doença que compromete a resistência do hospedeiro, facilitando a ocorrência de superinfecção viral ou bacteriana. Por isso, são frequentes as complicações, principalmente nas crianças até os dois anos de idade, em especial as desnutridas e adultos jovens.

 

• A ocorrência de febre, por mais de três dias, após o aparecimento das erupções na pele, é um sinal de alerta, podendo indicar o aparecimento de complicações, sendo as mais simples: infecções respiratórias; otites; doenças diarreicas e neurológicas.

 
Transmissão
 

• A transmissão do sarampo ocorre de forma direta, por meio de secreções expelidas ao tossir, espirrar, falar ou respirar. Por isso, o elevado poder de contágio da doença. A transmissão ocorre de 04 (quatro) a 06 (seis) dias antes e até 04 (quatro) dias após o aparecimento do exantema (erupção cutânea que ocorre em doença aguda provocada por vírus). O período de maior transmissibilidade ocorre 02 (dois) dias antes e 02 (dois) dias após o início do exantema. O vírus vacinal não é transmissível.

 

• O sarampo afeta, igualmente, ambos os sexos. A incidência, a evolução clínica e a letalidade são influenciadas pelas condições socioeconômicas, nutricionais, imunitárias e àquelas que favorecem a aglomeração em lugares públicos e em pequenas residências.

 
Prevenção
 

• A vacinação contra o sarampo é a única maneira de prevenir a doença. Nas Campanhas de Vacinação, as crianças devem ser levadas aos serviços de saúde mesmo que tenham sido vacinadas anteriormente.

 
Esquema Vacinal
 

• Crianças de 12 meses a menores de 05 anos de idade: uma dose aos 12 meses (tríplice viral) e outra aos 15 meses de idade (tetra viral).

• Crianças de 5 anos a 9 anos de idade que perderam a oportunidade de serem vacinadas anteriormente: duas doses da vacina tríplice.

• Adolescentes e adultos até 49 anos: Pessoas de 10 a 29 anos - duas doses da vacina tríplice; Pessoas de 30 a 49 anos - uma dose da vacina tríplice viral.

Quem comprovar a vacinação contra o sarampo conforme preconizado para sua faixa etária, não precisa receber a vacina novamente.

 
Tratamento
 

• Não existe tratamento específico para o sarampo. É recomendável a administração da vitamina A em crianças acometidas pela doença, a fim de reduzir a ocorrência de casos graves e fatais. O tratamento profilático com antibiótico é contraindicado.
• Para os casos sem complicação, manter a hidratação, o suporte nutricional e diminuir a hipertermia. Muitas crianças necessitam de quatro a oito semanas para recuperar o estado nutricional que apresentavam antes do sarampo. Complicações como diarreia, pneumonia e otite média devem ser tratadas de acordo com normas e procedimentos estabelecidos pelo Ministério da Saúde.

 
Profissionais de Saúde
 

• Mesmo com a ocorrência de surtos de sarampo em alguns estados brasileiros, até o momento não existe evidência da transmissão autóctone e sustentada do vírus do sarampo no Brasil, ou seja, até o momento nenhum surto estadual ultrapassou o período de 12 meses, contundo o genótipo identificado é o D8 o mesmo que está circulando em outros países, inclusive na Venezuela e na região europeia.
• É importante a sensibilidade dos profissionais de saúde em detectar oportunamente um caso suspeito de sarampo, bem como executar todas as ações de controle relacionado ao caso. Caso a pessoa esteja com os sintomas e sinais da doença, procurar imediatamente o serviço de saúde mais próximo.

 
Orientações para viajar com segurança
 
• Estrangeiros que irão visitar o Brasil
 

No Brasil não há obrigatoriedade de comprovação vacinal para entrada no país. No entanto, o Ministério da Saúde do Brasil recomenda que os turistas internacionais atualizem a sua situação vacinal previamente à chegada ao Brasil, conforme as orientações do calendário de vacinação do país de origem ou residência, em especial, as vacinas contra febre amarela, poliomielite, sarampo e rubéola, difteria e tétano.

 
• Brasileiros que irão se deslocar para outro País
 

Para viagens internacionais, o Ministério da Saúde do Brasil orienta que o viajante esteja com a sua situação vacinal atualizada, conforme as orientações do Calendário Nacional de Vacinação. O viajante deve incluir o cartão de vacinação entre os documentos da viagem, pois, conforme as normas do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde, este é o documento que comprova, em território nacional, a vacinação. No entanto, para viagens internacionais é importante dispor também do Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia (CIVP), quando exigido para entrada no país de destino ou no qual ocorra escala de voos, conforme apresentado no documento Viagem e Saúde Internacional.

 
• Conheça os Centros de Apoio à Saúde do Viajante no Brasil
 
-> Núcleo do Viajante Emílio Ribas – SP
 

Av. Doutor Arnaldo, 165 - 01246-900 - São Paulo - São Paulo/SP
CEP: 01246-900
(11) 3896-1366

 
-> Ambulatório do Viajante no Hospital das Clínicas - SP
 

Endereço: Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 255 Cerqueira César - São Paulo/SP.
CEP: 05403-000
(11) 2661-6392 / (11) 2661-0000

 
-> Ambulatório de Medicina do Viajante/UNIFESP - SP
 

Rua Borges Lagoa, 770 - Vila Clementino - São Paulo/SP
CEP: 04038-001
(11) 5084-5005

 
-> Medicina dos Viajantes/Hospital das Clínicas/USP - Ribeirão Preto
 

Av. Bandeirantes, 3900 - Monte Alegre / Campus - Ribeirão Preto/SP
CEP: 14048-900
(16) 3602-2695

 
-> Centro de Informações em Saúde para Viajantes/CIVES/UFRJ - RJ
 

Ilha do Fundão - Av. Athos da Silveira Ramos, Sala 2 - Cidade Universitária, Rio de Janeiro - RJ
CEP: 21941- 611
(21) 3215-2792 / (21) 3215-2785

 
-> Centro de Informações em Saúde para Viajantes/CIVES/UFRJ - RJ
 

Ilha do Fundão - Av. Athos da Silveira Ramos, Sala 2 - Cidade Universitária, Rio de Janeiro - RJ
CEP: 21941- 611
(21) 3215-2792 / (21) 3215-2785

 
-> Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas
 

Av. Brasil, 4365 - Manguinhos, Rio de Janeiro/RJ
CEP: 21040-360

 
-> Fiocruz
 

Av. Brasil, 4365 - Manguinhos, Rio de Janeiro/RJ
CEP: 21040-900
(21) 2598-4242


 


 
O que é?
 

• É uma doença infecciosa aguda, de natureza viral, grave, transmissível e extremamente contagiosa. A viremia, causada pela infecção, provoca uma vasculite generalizada, responsável pelo aparecimento das diversas manifestações clínicas, inclusive pelas perdas consideráveis de eletrólitos e proteínas, gerando o quadro espoliante característico da infecção. Além disso, as complicações infecciosas contribuem para a gravidade do Sarampo, particularmente em crianças desnutridas e menores de um ano de idade.

 
O Sarampo é transmitido por vírus ou bactéria?
 

• Pelo vírus que pertence ao gênero Morbillivirus, família Paramyxoviridae.

 
Quais os sintomas e sinais?
 

• Febre alta, acima de 38,5°C;
• Dor de cabeça;
• Tosse;
• Manchas vermelhas, que surgem primeiro no rosto e atrás das orelhas, e, em seguida, se espalham pelo corpo;
• Coriza;
• Conjuntivite;
• Manchas brancas que aparecem na mucosa bucal conhecida como sinal de Koplik, que antecede de 1 a 2 dias antes do aparecimento das manchas vermelhas pelo corpo.

 
Como se transmite?
 

• O vírus é facilmente transmissível. A doença se dissemina de forma similar à gripe, por vias respiratórias, através do espirro, tosse, beijo e também pelas mãos. Então, é fácil ocorrer um surto de sarampo. A transmissão pode ocorrer de 04 (quatro) a 06 (seis) dias antes do aparecimento do exantema (erupções cutâneas vermelhas em uma região específica ou por todo o corpo) e até 04 (quatro) dias após o aparecimento do exantema. O período de maior transmissibilidade ocorre 02 (dias) dias antes e 02 (dos) dias após o início do exantema. O sarampo ainda é responsável por muitas mortes infantis, por isso a atenção maior com relação às complicações dessa doença nas crianças menores de 05 (cinco) anos ou adultos maiores que 20 anos, desnutridos, gestantes e imunodeprimidos.

 
Quais os riscos para quem contrai?
 

• Em caso de suspeita, a pessoa precisa procurar uma Unidade de Saúde. Ela NÃO deve usar medicamentos por conta própria. O sarampo não tem tratamento e o papel do sistema de saúde é dar suporte à pessoa. Pode ocorrer necessidade de hospitalização, mas é raro. Na maioria dos casos, o paciente fica em casa. Mas quadros graves ocorrem e a doença pode inclusive levar à morte.

 
Como tratar?
 

• Não existe tratamento específico. É recomendável a administração da vitamina A em crianças acometidas pela doença, a fim de reduzir a ocorrência de casos graves e fatais. O TRATAMENTO PROFILÁTICO COM ANTIBIÓTICO É CONTRAINDICADO.

 
Como se prevenir?
 

• A única maneira eficaz é através da Vacina. Crianças, adolescentes e adultos devem se imunizar não apenas para se protegerem, mas para proteger também os que não podem se vacinar e que são os que correm o maior risco de complicações e de terem quadros que evoluem ao óbito. Estamos falando de pessoas com câncer, pessoas portadoras do HIV e estão imunodeprimidas, pessoas que estão fazendo quimioterapia ou outro tratamento com drogas que causam imunossupressão. Vacinar toda criança a partir de 01(um) ano de idade com a Tríplice Viral contra Sarampo, Caxumba e Rubéola, e aos 15 meses com a Tetraviral contra Sarampo, Rubéola, Caxumba e Varicela. Vacinar adultos até 49 anos com a Tríplice Viral ou com Dupla Viral contra Sarampo e Rubéola. O Ministério da Saúde opta por não vacinar maiores de 50 anos, porque a maioria das pessoas dessa faixa etária teve o sarampo na infância.

 
Quais os cuidados necessários?
 

• As mulheres grávidas não devem receber a vacina contra o sarampo. Elas devem esperar para serem vacinadas após o parto.
• Caso esteja planejando engravidar, assegure-se que você está vacinada contra o sarampo. Se não estiver, deve ser vacinada antes da gravidez. Espere pelo menos quatro semanas antes de engravidar.

 
Quem já teve sarampo precisa se vacinar?
 

• Não! Quem tem certeza que teve a doença não precisa se vacinar. O sarampo não ocorre duas vezes.

 
Quem não lembra ou sabe se foi vacinado precisa vacinar?
 

• Quem não tem certeza, mesmo que ache que já tenha se vacinado, deve se vacinar. Se não tem a carteirinha que comprove a vacinação, não há nenhum prejuízo para a saúde do indivíduo receber uma nova dose.

 
Onde se vacinar?
 

• O Ministério da Saúde disponibiliza a Vacina do Sarampo em todos os Postos de Vacinação e Unidades Básicas de Saúde espalhados por todo Brasil. É importante destacar que a vacina não é só para a criança. O adulto pode ser o responsável pelo início de um surto no país ou na sua região. Apenas uma minoria que recebe as duas doses não cria imunidade. São cerca de 2%. Mas se toda a população estiver vacinada, essas pessoas também estarão protegidas.
 
O que é preciso para se vacinar?
 

• Toda a população pode se vacinar gratuitamente nas mais de 36 mil salas de vacinação localizadas nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) de todo o país. Para isso, basta comparecer a um posto de saúde com o cartão de vacinação em mãos. Para quem perdeu o cartão de vacinação, a orientação é para procurar o posto de saúde onde recebeu as vacinas para resgatar o histórico de vacinação e fazer a segunda via. A ausência da Caderneta de Vacinação não é um impeditivo para vacinar. Toda pessoa pode ser vacinada nos postos de saúde, onde recebe um registro de controle da vacinação (cartão), podendo atualizar mais tarde a Caderneta. Ressalta-se que o cartão de vacinação é o documento que comprova a situação vacinal do indivíduo, devendo ser guardado junto aos demais documentos pessoais.

 
O que deve fazer um paciente com sarampo?
 

• Repousar;
• Beber muito líquido;
• Comer alimentos leves;
• Limpar os olhos com água morna.
Como é feito o diagnóstico do Sarampo?
Exames clínicos e, quando necessário confirmado por exame de sangue.

 

ATENÇÃO: SE VOCÊ VIAJOU OU TEVE CONTATO COM PESSOAS QUE VIAJARAM PARA FORA DO BRASIL OU PARA LUGARES COM SURTO DE SARAMPO E QUE ESTÃO COM SINTOMAS DA DOENÇA, PROCURE A UNIDADE DE SAÚDE MAIS PRÓXIMA.
 
NÃO SE ESQUEÇA DE LEVAR SUA CADERNETA DE VACINAÇÃO NO POSTO MAIS PRÓXIMO PARA VERIFICAR SE SUAS VACINAS ESTÃO EM DIA.

 

REFERÊNCIAS

 

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Portal da Saúde. Sarampo: saiba tudo sobre a doença e a vacina. Brasília: Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/sarampo. Acesso em: 30 ago. 2018.

 

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE; ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Folha informática sobre o sarampo. Brasília: OPAS/OMS, 2018. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5633:folha-informativa-sarampo&Itemid=1060. Acesso em: 30 ago. 2018.

 

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE; ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Casos de sarampo nas Américas chegam a 5 mil e OPAS amplia recomendações aos países. Brasília: OPAS/OMS, 2018. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5742:casos-de-sarampo-nas-americas-chegam-a-5-mil-e-opas-amplia-recomendacoes-aos-paises&Itemid=812. Acesso em: 30 ago. 2018.

 

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE; ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Argentina International Health Regulations (IHR) National Focal Point (NFP). Report to PAHO/WHO received by email.

 

BRAZIL MINISTRY OF HEALTH. Measles situation in Brazil - 2018. Report No. 14. Disponível em: https://bit.ly/2NXyd1g. Acesso em: 4 set. 2018.

 

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE; ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE .Brazil International Health Regulations (IHR) National Focal Point (NFP). Report to PAHO/WHO received by email.

 

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE; ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Colombia International Health Regulations (IHR) National Focal Point (NFP). Report to PAHO/WHO received by email.

 

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE; ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Ecuador IHR National Focal Point (NFP). Report to PAHO/WHO received by email.

 

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE; ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Peru IHR National Focal Point (NFP). Report to PAHO/WHO received by email.

 

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE. Organização Mundial da Saúde. Venezuela IHR National Focal Point (NFP). Report to PAHO/WHO received by email.

 

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Situação do sarampo no Brasil - 2018. Informe nº. 20, 2017-18, p.1-11.

 

SOCIEDADE BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES; SOCIEDADE BRASILEIRA DE INFECTOLOGIA; SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. São Paulo, 2018. Nota Técnica - Sarampo: diagnóstico, notificação e prevenção.


 

CHAMADA: Instituto Evandro Chagas e Bio-Maguinhos/Fiocruz iniciam estudo de vacina em Belém
DATA: 17 de setembro de 2015
VEÍCULO: Site do Instituto Evandro Chagas
LINK: https://www.iec.gov.br/05022015-2/?highlight=sarampo

 

CHAMADA: IEC inicia estudo de vacina produzida por Bio-Manguinhos/Fiocruz
DATA: 17 de setembro de 2015
VEÍCULO: Site do Instituto Evandro Chagas
LINK: https://www.iec.gov.br/11022015-2?highlight=sarampo

 

CHAMADA: Estudo da vacina tríplice viral realizado pelo IEC tem balanço positivo
DATA: 16 de setembro de 2015
VEÍCULO: Site do Instituto Evandro Chagas
LINK: https://www.iec.gov.br/05082015-2/?highlight=sarampo

 

CHAMADA: Pesquisadora do IEC Aborda Medicina do Viajante no INFECTO 2015.
DATA: 16 de setembro de 2015
VEÍCULO: Site do Instituto Evandro Chagas
LINK: https://www.iec.gov.br/08092015-2/?highlight=sarampo

 


 


 

Instituto Evandro Chagas
Envie uma mensagem para nossa equipe de comunicação e ajudaremos como possível. Nosso prazo de atendimento é de até 10 dias úteis.

    Seu nome completo*

    Seu e-mail*

    Telefone

    Estado*

    Município*

    Assunto*

    Sua mensagem