IEC participa de audiência pública na Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT)

  • IEC participa de audiência pública na Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT)

    IEC participa de audiência pública na Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT)

    O Brasil tem potencial para desenvolver pesquisas de ponta na área da saúde, respondendo inclusive a problemas mundiais. Essa é a conclusão de uma audiência pública promovida nesta quarta-feira (23) pela Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT), com o objetivo de divulgar o trabalho de instituições que atuam na saúde pública do país.

    Na opinião da diretora substituta do Instituto Evandro Chagas (IEC), Lívia Carício Martins, para que o país continue se desenvolvendo na pesquisa em saúde é necessário o fortalecimento das parcerias entre as instituições e que haja a sustentabilidade das ações e investimentos. Ela apresentou as ações do IEC. Entre as principais, estão o desenvolvimento de vacinas, publicações científicas e o fornecimento de informações e dados para o combate a doenças.

    Sediado em Ananindeua (PA), o IEC existe desde 1936 e atua na pesquisa biomédica da região amazônica. Lívia Carício explicou que o órgão realiza estudos clínicos para o tratamento de doenças como malária, hanseníase e leishmaniose, além de pesquisas para esclarecimento de síndromes causadas por agentes infecciosos como a Zika. Ela também destacou as atividades do Centro Nacional de Primatas, vinculado ao IEC. A instituição, segundo a expositora, tem cerca de 650 macacos, de 21 espécies diferentes, criados e reproduzidos em condições controladas, com o objetivo de desenvolver os estudos.

    “Às vezes, a gente acha que a pesquisa está distante da sociedade, mas ela está muito próxima. Pesquisa resulta em prevenção, em tratamento e traz sempre resposta e melhoria para o problema que está afligindo as pessoas. A gente precisa do apoio de todos, e entender que saúde é uma ação que deve ser sempre prioritária no nosso país”, afirmou.

     

    Fiocruz

    Também presente na audiência, o coordenador geral de Planejamento Estratégico da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Ricardo de Godoi Mattos Ferreira, realçou o protagonismo da instituição nas pesquisas relacionadas à febre amarela. A produção regular anual de 25 milhões de vacinas saltou para 67 milhões anuais de doses após surto da doença em 2016. Além disso, segundo o expositor, a instituição atua em 323 linhas de pesquisa, 1.665 projetos de pesquisa e desenvolvimento tecnológico e 1.914 publicações científicas por ano. São 275 patentes vigentes no exterior e 26 programas de pós-graduação stricto sensu fornecidas pelo órgão.

    Localizada no Rio de Janeiro, a Fiocruz foi estabelecida em 1900 e tem foco na produção de vacinas e soros. Mas há outras medidas do órgão, destacadas por Ricardo de Godoi: o “Inova Fiocruz”, que fortalece a transferência do conhecimento gerado na instituição para a sociedade, e a coordenação da Rede Global de Bancos de Leite Humano. De acordo com Ricardo de Godoi Mattos Ferreira, a rede coletou 2,5 milhões de litros de leite humano nos últimos dez anos, tendo atendido a 27,5 milhões de mulheres e recém-nascidos nos 22 países em que atua.

    “A nossa missão é promover ciência e saúde para todos. Ano que vem, estaremos comemorando nossos 120 anos, e temos defendido a Fiocruz como um patrimônio da sociedade brasileira”, comentou.

    O encontro teve o intuito de apresentar à sociedade e aos próprios parlamentares aquilo que o Brasil produz no campo da pesquisa, até para chamar atenção para o fato de que é fundamental conhecer, valorizar e investir nesse tema, dentro das estruturas de governo.

     

    Texto do Núcleo de Comunicação da Secretária de Vigilância em Saúde (SVS) com informações da Agência Senado

Instituto Evandro Chagas
Envie uma mensagem para nossa equipe de comunicação e ajudaremos como possível. Nosso prazo de atendimento é de até 10 dias úteis.

Seu nome completo*

Seu e-mail*

Telefone

Estado*

Município*

Assunto*

Sua mensagem